Notícias

Aço para salvar a onça-pintada

4 set 2017
Print this pageEmail this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on TumblrShare on LinkedIn

Com doações da Ternium Siderar, Tenaris e Tecpetrol, a Fundação Flora e Fauna Argentina construiu um cercado de aço para a reprodução e reintrodução da onça-pintada ao seu hábitat em Iberá, na província de Corrientes.

Restam apenas menos de 200 onças-pintadas adultas em toda a Argentina, concentradas em três regiões (selvas de Salta e Jujuy, região do Chaco e alguns setores da selva de Misiones ou Paraná), e, se nada for feito, dentro de alguns anos elas estarão extintas no país. Para evitar isso, a Fundação Flora e Fauna Argentina construiu o Centro Experimental de Criação de Onças-Pintadas (CECY, sigla em espanhol) na Fazenda San Alonso, dentro da Reserva Natural Iberá, obra que contou com doações da Ternium Siderar, Tenaris e Tecpetrol. As três empresas também se comprometeram com a cadeia de valor para que o projeto se tornasse realidade.

A Fundação Flora e Fauna Argentina trabalha para a reprodução e reinserção da onça-pintada em um dos seus hábitats naturais: Esteros de Iberá, em Corrientes (Reserva Natural), por meio de diferentes iniciativas que têm como objetivo a criação in situ de exemplares que sejam capazes de viver livres na natureza.

O projeto do CECY envolveu de empresas de transporte a centros de distribuição, com uma participação especial da TONKA (parte da cadeia de valor da Ternium), responsável pelo projeto dos cercados necessários para a reprodução e criação dos animais.

30 hectares cercados

O aço que a Ternium Siderar fabrica todos os dias foi doado em forma de chapas galvanizadas lisas, que permitem proteger os cercados do mato que cresceria em volta (sua retirada exigiria manutenção humana) e colocar ressaltos nas paredes do cercado para que as onças-pintadas não possam subir. Os cercados foram construídos com material doado pela Tenaris e pela Tecpetrol: tubos sem costura que já cumpriram sua vida útil na extração de petróleo e gás, agora protegem a fauna. O projeto contou ainda com a colaboração da Acindar Grupo Arcelor Mittal, que doou malha Sima e arame para as paredes e os sistemas de segurança.

Graças às doações de aço foi possível construir o sistema de cercados (mais de 30 hectares com 4 km de perímetro), projetado para a reprodução de animais procedentes de cativeiro e para que seus filhotes possam desenvolver um comportamento adequado para a vida livre. As estruturas contam com um sofisticado sistema de segurança e monitoramento (cercas de 5 metros de altura, com 1 metro de ressaltos internos e dois conjuntos de linhas de arames elétricos).

“O aço – um material que pode ser reutilizado e reciclado infinitamente, mantém suas qualidades e é inócuo para a natureza – foi a chave para o desenvolvimento desta iniciativa de alto valor ecológico e de preservação, fundamental para o cuidado do meio ambiente no país. Sem o aço, este projeto não teria sido possível”, explicou José Fonrouge, gerente de Meio Ambiente da Ternium.

Atualmente vivem no CECY dois casais de onças-pintadas provenientes de zoológicos argentinos e de uma reserva no Paraguai. Espera-se para breve a chegada de um filhote.

Compromisso ecológico

A Fundação Flora e Fauna foi criada em 2010 como uma iniciativa de cidadãos argentinos interessados na ampliação de áreas protegidas para a conservação da biodiversidade em diversos lugares do país. Ao longo destes anos, obteve financiamento local e de doadores estrangeiros para projetos de preservação de espécies da flora e da fauna, promovendo a educação ambiental e a capacitação em questões ligadas à defesa e à conservação do meio ambiente.

Fontes: 

Proyecto Iberá
Fundación Flora y Fauna Argentina
Red Yaguareté