Notícias

Steel Framing: reformas rápidas e eficientes

5 jul 2017
Print this pageEmail this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on TumblrShare on LinkedIn

Obras residenciais muito diferentes mostram as vantagens de fazer intervenções em aço.

Duas obras em construções tradicionais diferentes e com objetivos diferentes na Argentina tinham uma característica inicial em comum: a necessidade de conseguir uma solução rápida e com alto nível de conforto. No primeiro caso, o terraço da residência deveria se transformar em estúdio de música sem sobrecarregar a estrutura. No outro, uma casa que apresentava várias patologias precisava recuperar a sua habitabilidade. Nos dois casos o Steel Framing foi considerado a solução adequada.

Caixa de música no terraço

A ideia de construir uma sala de música no terraço enfrentava limitações de peso por causa da estrutura existente, por isso era essencial encontrar uma solução mais leve do que as tradicionais. O estúdio HAUSIT desenvolveu um volume absolutamente independente das paredes laterais e apoiado sobre uma plataforma com cinco pés que coincidem com a localização das colunas no térreo. Assim, a obra não exigiu modificar a base do terraço existente.

“Cada uma das variáveis que afetava a execução do projeto nos aproximava mais do Steel Framing como sistema de construção”, explicou a engenheira Sonia Ganem, da HAUSIT. Esta solução permitiu reduzir o peso do novo cômodo e trabalhar com velocidade e limpeza para afetar o mínimo possível os donos da casa, que continuaram morando lá durante a obra toda. O Steel Framing também era adequado para atender os requisitos de isolamento acústico, imprescindíveis pelo destino do espaço.

 

Tecnologias sustentáveis

“Aos aspectos técnicos que precisávamos resolver, se somava o interesse dos proprietários pelo uso de materiais e tecnologias sustentáveis”, contou Ganem. Segundo ela, neste tipo de projeto é fundamental avaliar a interação com o que já existe e conseguir que o tempo de obra seja o menor possível. “Assim também se otimiza o consumo de materiais e se evitam desperdícios.”

No espaço semicoberto, resolvido com os mesmos perfis à vista, é possível observar o método utilizado. “Os perfis cumprem as normas específicas e têm diferentes dimensões e espessuras, dependendo da posição no projeto. Além disso, desenvolvemos um modelo virtual que nos permite definir com precisão milimétrica o consumo de aço”, detalhou Ganem. Como o prazo da obra é muito limitado, torna-se fundamental que toda a logística de materiais seja realizada nos tempos e formas corretos (neste caso, o fornecedor foi Perfiles JMA).

O revestimento externo é de chapa frisada e madeira, e cobre um sistema multicamada que oferece grande isolamento higrotérmico. O condicionamento termoacústico foi resolvido com celulose projetada em painéis no teto. O sistema é terminado com esquadrias de alto desempenho de PVC com DVH.

Reconstruir desde as fundações

Cristina, dona de uma casa de 72 m2 com apenas dez anos de antiguidade, procurou um arquiteto com a certeza de que sua casa não tinha conserto. “Havia todos os tipos de vícios construtivos: pisos levantados, fissura de muros, umidade ascendente nos pisos, mofo e fungos nas paredes, desprendimento de rebocos”, contou Esteban Jáuregui.

A proprietária contava com a possibilidade de solicitar um empréstimo para fazer uma “cirurgia maior”, que o arquiteto considerou imprescindível. A obra exigia a demolição total, com exceção dos muros e da cobertura de telhas francesas. As fundações, instalações e esquadrias também seriam feitas de novo. Nas paredes foram colocados perfis de aço, revestidos para aumentar o isolamento. Enquanto as divisórias internas foram construídas com o sistema Steel Framing. Jáuregui batizou a obra como Fênix 2, porque “se Fênix renasceu das suas cinzas, esta renasceu dos escombros”.