Notícias

Quanto custa construir uma casa sem tijolos?

20 jul 2017
Print this pageEmail this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on TumblrShare on LinkedIn

O sistema de construção a seco com perfis de aço permite executar obras de alto nível de conforto com um custo final similar ao de uma construção úmida tradicional.

O orçamento de uma obra com o sistema Steel Framing é mais baixo do que o de uma construção úmida tradicional, mantendo os mesmos níveis de isolamento térmico e conforto interior. Isso se deve à racionalização extrema do sistema de aço e à possibilidade de estabelecer uma cadeia de produção que contribui para a eficiência econômica. Assim é possível otimizar o design e reduzir os custos.

“Outro aspecto que contribui para a eficiência dos custos é que o Steel Framing permite saber exatamente a quantidade necessária de materiais, a partir da memória de cálculo estrutural. Por isso, o valor final é estabelecido com precisão”, explicou Paula Ale, gerente comercial de Perfis JMA.

No sistema com perfis de aço, a utilização eficiente dos recursos também abrange a mão de obra. Os prazos de “obra seca” são um terço dos de uma construção úmida tradicional. “É possível construir uma residência de 100 a 200 m² completa em 90 dias”, afirmou Eugenio Mamarián, da Imecon. Segundo ele, o peso do custo da mão de obra no Steel Framing é inferior a 40%, enquanto na obra úmida é de quase 50%.

Menos desperdício

Na hora de calcular os materiais para uma obra a seco é visível a redução da margem de desperdício que, segundo Mamarián, gira em torno de 20% para a construção úmida e de apenas 5% na obra a seco. “Os perfis que eventualmente sobrem podem ser utilizados, por exemplo, para fazer móveis”, contou Ale.

O valor de revenda do imóvel é beneficiado pela economia de energia no cotidiano acarretada pela qualidade da construção e pela facilidade de fazer reformas ou ampliações.

Análise de custos

A consultora Consul Steel, especializada em Steel Framing, realiza desde janeiro de 2017 uma análise de custos de um protótipo de residência de 80 m² chamado “Casa DO” na província de Buenos Aires, que inclui atualizações mensais.

“Projetamos uma detalhada composição de custos para as várias etapas do processo de construção, concretização do projeto, custos e incidências de material e mão de obra, entre outros itens, com o objetivo de oferecer uma ferramenta útil ao profissional e ajudar a esclarecer dúvidas gerais do mercado”, explica um relatório de Matias Mousse, do departamento de Arquitetura e Serviços da consultora.

Segundo o relatório de junho, o preço por metro quadrado de um projeto em Steel Framing é inferior aos valores da construção tradicional e dependem dos tipos de acabamentos e isolamentos escolhidos. O protótipo da “Casa Do” custa 11.064,54 pesos argentinos (cerca de US$ 670) por m², enquanto uma casa tradicional equivalente custa 11.600,84 (cerca de US$ 703) pesos argentinos por m², de acordo com a tabela da revista “Vivienda” de junho de 2017. A análise leva em conta: terraplanagem, fundações, engenharia, estrutura completa de Steel Framing, isolamento acústico, térmico, de água e vento, barreira de vapor, acabamento para telhado plano, placas de gesso, acabamento interno, tetos, acabamento externo EIFS, pisos internos, instalação elétrica, instalação sanitária e instalação de gás. Inclui também materiais e mão de obra. Portanto, uma casa “chave na mão”.

 

Fonte: jornal argentino Clarín.