Notícias

Resultados e transição: uma garantia de continuidade

6 nov 2017
Print this pageEmail this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on TumblrShare on LinkedIn

Um dia após anunciar a sucessão do CEO, Ternium explica ante analistas seus resultados econômicos do terceiro trimestre e afirma que a mudança garante uma continuidade na estratégia, o estilo de liderança e a excelência operativa.

Com um panorama positivo e antecipando uma nova etapa de crescimento, Ternium apresentou os seus resultados do terceiro trimestre (completos aqui em inglês), nos que destacou a recuperação da demanda na Argentina, a integração das operações do Brasil e uma operação sólida no México, embora afetado pela sazonalidade e alguma incerteza sobre o destino do NAFTA.

A conferência com analistas foi conduzida por Daniel Novegil, CEO de Ternium, em conjunto com Pablo Brizzio, Chief Financial Officer (CFO) e Sebastián Martí, Investor Relations Director. Pela primeira vez juntou-se à conferência Máximo Vedoya Presidente Executivo de Ternium México e quem, a partir do dia 1 de março de 2018, será CEO da empresa.

“Ternium continuou mostrando importantes resultados no terceiro trimestre”, disse Novegil.

As remessas somaram 3,07 milhões de toneladas, 16% a mais que no trimestre anterior, alcançando um novo recorde. As vendas, por outro lado, tiveram 10% de acréscimo em relação ao segundo mês do ano 10%, promovidas pelos crescimentos em todas as regiões, enquanto o EBITDA (Resultado operacional ajustado após juros, impostos, depreciação e amortização) diminuiu 6% a 466,1 milhões de dólares. A baixa reflete a integração das operações da planta do Rio, que aumenta a quantidade de produção global de Ternium, mas reduz o nível médio de seu valor agregado.

“Começamos a consolidar as operações de CSA, agora Ternium Brasil, em setembro 2017, o que se traduz em maiores volumes de remessa, mas uma caída na margem”, explicou Brizzio.

Garantia de continuidade

No início da palestra, Novegil disse que Vedoya, que o substituirá como CEO de Ternium no dia 1 de março segundo o anúncio semana passada, é “a pessoa indicada” para guiar a Ternium nesta “nova etapa de crescimento” e “garantia de continuidade” a estratégia de diferenciação da empresa.

“A nomeação de Máximo como CEO garante a continuidade da estratégia de diferenciação da Ternium, seu enfoque nos produtos de alto valor agregado, na excelência operacional, melhoria contínua redução de custos, para seguir gerando valor aos acionistas”, disse Novegil.

“Estou pronto para esta nova oportunidade e procuro continuar com a implementação da estratégia com o resto da equipe de gerenciamento e com todo o apoio do Conselho de Administração”, indicou Vedoya.

Novegil falou sobre a “aventura e privilégio” que foi ter sido CEO de Ternium nos últimos 12 anos, agradeceu a Paolo Rocca pelo apoio e disse que ia trabalhar estreitamente com Vedoya na transição dos próximos meses e para além, em seu novo papel de vice-presidente do Conselho de Administração.

Nafta: Contudo, sem grande impacto

Embora continua a incerteza sobre as renegociações do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA, sigla em inglês), a visão a longo prazo da Ternium é que as relações comerciais entre Estados Unidos e México continuarão a ser positivas, disse Vedoya.

“Não tenho dúvida que o tratado pode ser melhorado e as negociações podem modernizá-lo”.

Contudo, ainda no cenário de que não se chegará a um acordo, o management de Ternium acredita que o comercio entre os sócios norte-americanos continuará a ser positivo no âmbito das regras da Organização Mundial do Comércio (OMC). No caso específico do aço, Vedoya disse que os Estados Unidos deveria ter pouco interesse em frear o comercio com o México porque de fato tem uma balança comercial favorável de 1,7 milhões de toneladas no intercâmbio de produtos planos.

Apesar de um contexto muito competitivo no mercado de aço no México, Novegil disse que Ternium tem espaço para continuar crescendo a partir da substituição de importações, que no segmento de aço plano chegam a 50% do mercado.

Argentina: um motor importante

O panorama é promissor para a Argentina, graças a uma recuperação na demanda de aço, incentivada por várias indústrias como a automobilística, infraestrutura, o agro, energias alternativas, gás e petróleo, entre outras.

“Esperamos um crescimento de 12,5% no consumo de aço para 2017 em relação a 2016, e em torno a 10% em 2018”, disse Novegil. “Para o primeiro semestre de 2018 estamos prevendo recordes históricos para nossas operações na Argentina”.

Investimento em andamento

Ternium anunciou em setembro investimentos de 1.200 milhões de dólares para a construção de um novo laminados a quente no México e uma nova planta de produção de barras retas e rolos de aço na Colômbia.

Dentro do plano de investimento da empresa, 450 milhões de dólares estão contemplados para este ano e, para 2018 a cifra rondará em torno de 600 milhões. O nível mais alto dos investimentos desembolsados em relação pelos novos projetos será em 2019.

“Como com todos nossos investimentos nos últimos anos, com cada novo passo tentamos avançar em nossa estratégia de diferenciação e apoiar nossa rentabilidade como líderes industriais”, detalhou Novegil.