Notícias

Transformação digital se consolida na Ternium

2 ago 2017
Print this pageEmail this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on TumblrShare on LinkedIn

Os avanços tecnológicos promovem transformações em todos os âmbitos da vida e a Ternium não poderia ficar fora disso.

A Ternium está consolidando uma base tecnológica que amplia sua conectividade e sua capacidade de processamento de dados para ser cada vez mais produtiva e eficiente. A transformação digital avança em três etapas. Em um primeiro momento, foram dedicados esforços a integrar as diversas tecnologias utilizadas, permitindo maior disponibilidade de dados e simplificando o fluxo de informações.

Depois, procurou-se estender esses sistemas ao restante da cadeia de valor, tanto a clientes quanto a fornecedores. Isso exigiu tecnologia, redes e dispositivos que facilitem a integração com os clientes (webservice, web Link e B2B). Além disso, foram implementadas ferramentas móveis generalizadas, otimizando a acessibilidade e a produtividade.

Hoje está em andamento a terceira etapa, que consiste na construção da S.M.A.R.T. Factory, que tem como objetivo automatizar e simplificar as atividades administrativas, com foco na mobilidade, conectividade e experiência do usuário. Um elemento central nesta fase são os algoritmos e a possibilidade de fazer previsões.

 

O que é uma planta S.M.A.R.T.?

A proposta é levar o escritório para uma plataforma móvel. A sigla, em inglês, explica o conceito:

  • Social: a colaboração permite que os diversos atores estejam informados e conectados entre si.
  • Mobile: permite que os usuários interajam de qualquer lugar e dispositivo, estendendo sua experiência para múltiplas plataformas.
  • Analytics: algoritmos que permitem classificar as informações por meio de padrões que depois são organizados em indicadores. Isso habilita a análise preditiva para entender padrões e definir as melhores medidas a tomar. Um exemplo é a análise em tempo real dos canais de vídeo das plantas para detectar situações inseguras.
  • Robots: a automatização se torna possível graças à interação entre pessoas e maquinas. É a etapa em que os algoritmos levam à ação: drones autônomos que captam imagens para analisar que áreas exigem reparação, sem que uma pessoa precise ir ao local.
  • Things: Internet das coisas (IoT, sigla em inglês) se refere à interconexão digital dos objetos com a internet. Permite, por exemplo, saber onde os produtos estão sem a necessidade de se aproximar fisicamente. Isso elimina situações de risco para os funcionários e reduz significativamente o tempo das operações de envio e estoque.

“É um novo paradigma para entender o futuro, e compreendê-lo é importante para definir as nossas ações no presente”, explica Roberto Demidchuk, CIO da Ternium.